sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Inverno


Gélidas árvores descansam seus versos,
Na umbra de um sol que não mais nos pertence
E a folha, trêmula, o chão aquece
Simbolizando a última instância dos finados ecos.

Vidas congeladas, sonhos que estão imersos,
Engolidos pela neve fria que aqui falece
Jamais vislumbrarão novamente a luz que enaltece
A alegria de serem tudo, e não os restos

E eu permaneço, ando nesses caminhos frios,
Sem rumo, sem vida, sem ar, sem sequer um fio
De esperança para motivar o coração a pulsar os calafrios...

Olho ao redor, a vida é um grande desafio
para aqueles que nadam contra esses congelados rios...
que inundam minha alma como um naufragado navio....

agradecimentos a Fernanda Stapenhorst, pelos 18 mil quilômetros de viagem e pela palavra que originou este fim.

7 comentários:

  1. esse poema só virou BÓ MELL QUE FODA por causa da última palavra. HAHA brincadeira mell, teus poemas todos são foda :}
    beijão

    ResponderExcluir
  2. Mesmo os teus poemas sendo com temas deprimentes,eles sempre dão uma luz com todo o conteúdo perfeitamentes posicionados de maneira quase parnasiana(exceto pelo conteúdo,que tem relevância).É de uma beleza ão triste e,ao mesmo tempo, feliz por ser tão bonita.

    ResponderExcluir
  3. Extremamente profunda a visão e a sinestesia provocada pela autora da leitura do poema e o ambiente de bosque congelado.uma atmosfera bem trabalhada.Que poderia ser qualquer lugar, inclusive nossa realidade concreta,perdidos nesse mundo frio e sem rumo, principamente para aqueles que nadam na contracorrente

    ResponderExcluir
  4. Minha inspiradora! When are you publishing a book? I would so buy them ALL to give out to everyone I bumped into. Onde está a academia brasileira de letras em um momento como este?! YOU ROCK, MEL! You have a gift my friend, a very special gift.

    ResponderExcluir
  5. Me orgulho e me inspiro desse preciosismo que você dá as palavras... Sempre me faz pensar por uns cinco minutos depois que eu leio uma poesia tua - parabéns! Saudades, beijo!

    ResponderExcluir
  6. Mel,eis ai duas características que admiro muito em ti : a versatilidade e qualidade. É incrível a maneira como transpõe em versos os teus sentimentos que são comuns, pois quem os lê identifica-se com o momento retratado em tua obra. O teu estilo ao escrever é realmente tão poético, tão lindo, é um dom. Além de ser excelente estudante e futura pesquisadora, é uma artista explêndida, o teu segredo para cantar, escrever, estudar é usar a tua alma, ela transparece em tudo que tu faz. Beijos, te amo e continua sempre a usaro brilho da tua alma para nos iluminar, é isso que te faz ser tão especial.

    ResponderExcluir